Glicose, dosagem sérica

Preparo:

Jejum de 8 horas

Amostra:

Plasma fluoretado, soro (tubo com gel separador), LCR e líquidos cavitários.

Coleta:

Sangue: punção venosa (sistema vácuo) em tubo com fluoreto (tampa cinza) ou seco com gel separador (tampa amarela).

LCR e líquidos cavitários: procedimento médico.

Acondicionamento:

Transporte: caixa térmica com gelox (13ºC a 24,5ºC)

Após triagem e separação: refrigerado (2ºC a 8ºC)

Arquivo biológico:

Congelado (-20ºC)

Método:

Enzimático – hexoquinase II

Referência:

Normal: 60  a  100 mg/dL

Intolerância à glicose: 101 a 125 mg/dL

Diabetes: a partir de 126 mg/Dl

(American Diabets Association – ADA)

Interpretação:

Importante no diagnóstico de diadetes mellitus tipo I e II, e em distúrbios ligados a intolerância do metabolismo da glicose. Consenso de diabetes determina que resultados encontrados de jejum entre 101 a 125 mg/dL, são impróprios e devem ser investigados com auxilio do teste oral de tolerância à glicose (dosagens 0’ e 120’).  Para o diagnóstico de diabetes mellitus, deve-se encontrar resultados de glicemia de jejum superiores a 126 mg/dL, por pelo menos em duas dosagens distintas ou resultado superior a 200 mg/dL coletado em qualquer horário, desde que apresente sintomas clínicos da doença.